Skip links

9 Tendências do e-commerce para 2019 que deve saber

9 Tendências do e-commerce para 2019 que deve saber

O e-commerce ou, comércio eletrónico, está em crescimento em Portugal. Em 2017, 36% dos portugueses fez compras online, num valor total de 4,6 mil milhões de euros.

E a tendência é para continuar a crescer. A Associação da Economia Digital em Portugal em parceria com a IDC prevê que em 2025, 59% dos portugueses façam compras online num valor esperado de 8,9 mil milhões de euros.

Devido à crescente importância do comércio eletrónico, deixamos-lhe 9 tendências para 2019 para que possa aproveitar ao máximo este mercado.

1. Personalização & Inteligência Artificial

Os clientes, cada vez mais, esperam uma experiência personalizada alcançada através de recomendações de produtos, merchandising visual, CRM, não mostrar conteúdo irrelevante, etc. Os dias em que podia colocar pessoas em grandes grupos e ter um regime único para todos os seus clientes acabaram. A inteligência artificial é o fator chave para reduzir os atritos na experiência de compra dos seus clientes.

2. Marketing de nicho e micro marcas

Os consumidores não querem uma marca que tente fazer tudo e, por isso, os produtos de nicho estão a alcançar um crescimento fenomenal. Até as grandes marcas estão a expandir-se e a criar marcas de nicho híper direcionadas com contas de Instagram esculpidas.

Um exemplo perfeito de uma marca verdadeiramente de nicho que está a ter excelente desempenho num mercado enorme é a Untuckit – camisas masculinas que são feitas para ficar bem quando não estão puxadas para dentro.

3. Social Selling nativo

Ter posts de compra no Instagram e Pinterest é excelente, pois diminui a jornada do consumidor e já não precisamos que o consumidor abandone a rede social para ir para o nosso website.

Isto está diretamente correlacionado com o ponto anterior, em que estas micro marcas (que são normalmente D2C – direto ao consumidor) são capazes de vender a uma audiência específica, através das habilidades do targeting híper direcionado dos anúncios de Instagram.

4. Múltiplos canais de compra

Isto é muito mais complexo para marcas com presença física, mas para um retalhista que vende estritamente online, os consumidores interagem com a marca em várias plataformas sociais. Aqui, um dos maiores desafios é a capacidade de identificar clientes em diferentes plataformas e sessões.

5. Marketing de conteúdo

Marketing de conteúdo é extremamente importante, pois é um impulsionador importante na construção de relações com clientes, que vai para além de transações. Isto encoraja lealdade à marca e vendas. Os clientes querem ser entretidos, sentir inspiração e serem informados entre as suas compras com conteúdo personalizado e direcionado. Ao criar conteúdo, deverá perguntar sempre “O que vai ganhar o cliente?”.

6. Aumento da autenticidade no Marketing de influenciadores

Escusado será dizer que marketing de influenciadores é uma maneira incrível para apresentar a sua marca a um novo público e, mais importante, criar confiança com esse público ao utilizar a marca do influenciador como alavanca.

Hoje em dia, os seguidores exigem mais autenticidade. Já é possível ver esta mudança na forma como os influenciadores estão a publicar. Por exemplo, o Instagram tornou-se mais do que uma plataforma para fotos perfeitamente editadas. Agora, os influenciadores também usam a plataforma para partilhar a sua vida pessoal.

São cada vez mais as marcas que trabalham com micro influenciadores (<100k seguidores) e nano influenciadores (1-10k seguidores). Isto porque eles, normalmente, têm maior engagement e feeds que não estão desorganizados e confusos com marcas concorrentes.

7. Serviço de entrega personalizado

É sempre abordado a forma de como conseguir visitantes para o website, e como converte-los, mas a jornada não termina aí.

Os consumidores não querem saber onde fica o seu centro de distribuição. Eles só querem a experiência de entrega que seja a mais rápida e fácil, e as suas expectativas são constantemente elevadas.

8. Marcas de e-commerce tornam-se físicas / Lojas Pop-Up

Estas lojas físicas podem até não ter vendas na loja como o objetivo principal. Mas, são usadas como um exercício de marketing para tentar aumentar as vendas online na região.

9. Realidade Aumentada e Realidade Virtual

É previsto, que até 2020, nos Estados Unidos da América, os mercados de realidade aumentada e realidade virtual se tornem em mercados entre 5,9 mil milhões de euros e 29,5 mil milhões. Com estes números, é impossível ignorar a sua importância no futuro do comércio eletrónico.

Se tem um negócio com e-commerce ou pretende iniciar fale connosco.